Amamentação

Porque o bebê quer ficar grudado no peito?

Por 10 de fevereiro de 2021Sem comentários
Quando o bebê nasce, em geral as primeiras 24 horas são uma maravilha. Mama, dorme. Acorda. Troca fralda. Mama. Dorme de novo. Passadas as primeiras 24 horas, o bebê gruda no peito e parece não querer largar. É um bebê piercing. Um bebê chiclete. Um bebê carrapato. Começa a bater o desespero. Por que esse bebê pega e solta esse peito a cada 10 minutos? Por que não consigo fazer mais nada a não ser dar peito pra este bebê? Por que esse bebê mama mais a noite?
O estômago do bebê recém-nascido é muito pequeno. A capacidade gástrica é de 4 colherinhas de chá, ou 20 ml. Enquanto a mãe estiver sangrando, o bebê vai mamar muito. Porque cada vez que ele mamar, o útero vai contrair – o que contribui para voltar ao tamanho normal de antes de engravidar – e evita hemorragia. A natureza é perfeita. Bebê mama, útero contrai, mãe não morre de hemorragia e o bebê garante seu alimento e não morre de fome. Viva os mecanismos que garantem a sobrevivência da espécie! A noite é a maior produção de prolactina. Por isso o bebê mama mais a noite.
O bebê, ficou 9 meses dentro do útero. Um lugar apertadinho, escuro, quentinho, com barulhos peculiares como o batimento do coração da mãe e em grande parte das vezes em movimento (mãe andando, bebê em movimento). Nascer significa vir pra um mundo oposto. Grande, claro, frio, silencioso ao máximo, ou com barulhos nada conhecidos e deitado no berço. Ou no carrinho. Parado. O peito é o lugar que conforta este bebê. Que o remete ao útero. Que traz segurança e aconchego. Por isso, a cada nova e estranha sensação e experiência, o bebê procura o peito. Não apenas porque está com fome, sede, ou porque quer ajudar a mãe a não ter uma hemorragia. Mas também porque o bebê precisa de um porto seguro. E o porto seguro do bebê é o peito da mãe.
Cansa? Ô se cansa. Muito. Mas essa fase vai passar. E logo vai começar uma nova fase, com novos desafios. O segredo, é viver cada uma delas, sem grande expectativas. Peça ajuda. Com a casa, com a comida, com as outras crianças. Para estar o mais disponível possível para o bebê. E cuide de você. Se alimente e descanse. Tente amamentar deitada para poder descansar nas infindáveis horas em que o bebê solicita o peito. E se necessário procure ajuda profissional.

Foto da querida Kelly Stein | Fotografia 2o parto da Jéssica que acompanhei 🙂

Deixe um comentário