Voyeurs do parto 3


parto e sexo

 

Não quero criar polêmica, nem com as mulheres que tiveram seus filhos através de uma cesárea (como eu tive 2 deles também) nem com as feministas. Mas talvez seja inevitável para tratar deste assunto: Parto e sexo. Então já deixo aqui minhas apologias para poder começar o texto.

O parto é parte do ciclo sexual feminino não restam dúvidas. É o ápice da maturidade sexual da mulher. Do conhecimento e aceite do seu próprio corpo. É quando qualquer pudor ou tabu se desfaz para que essa mulher se abra e permita o nascimento de uma vida. Antes do parto, assim como antes da primeira relação sexual, há medos e fantasias. Os mesmos hormônios são liberados na corrente sanguínea durante e após o parto e o sexo. A respiração fica ofegante. O corpo se retesa para então relaxar.  O gozo  e o nascimento.

Com todo esse   movimento de humanização do parto  e nascimento, e principalmente com a nova orgasmic-birthonda de fotos e vídeos profissionais de parto, que deixam qualquer uma com vontade de parir, existe toda uma  exposição da mulher no seu momento mais  íntimo. Isso é muito bom para  o movimento, que conta com milhares de mulheres e famílias anônimas ilustrando uma nova opção de nascer, o Parto Humanizado, onde a mulher é protagonista de sua gestação e parto, onde o parto volta a ser um evento familiar e social e o bebê é recebido de forma respeitosa, sem intervenções desnecessárias. Uma opção diferente da que é apresentada à mulher: um parto cheio de  intervenções, frio, mecânico e industrializado ou  um nascimento cirúrgico através de cesárea com o bebê sendo separado da sua mãe e deixado em berçários para ser visto apenas pelo vidro ou pelas modernas câmeras cuidadosamente instaladas que transmitem a imagem do pequeno para seus pais que estão instalados no quarto do hotel, ops, hospital.

Como tudo nesse mundo tem efeito colateral, a crescente exposição do Parto Humanizado pelas redes sociais, também não ficou de fora. Existem vários efeitos colaterais, porém eu vou focar em um apenas para este post: A proliferação de pessoas non-sense (sem  noção) que por ser a ________*(complete aqui com “melhor amiga”, “cunhada”, “irmã”, “mãe”, “sogra”, “vizinha”, ou qualquer outra figura)* acha que tem direito de participar do parto da mulher.

Oras, parto e sexo são praticamente a mesma coisa. Parto deve ser um momento íntimo assim como é um ato sexual.

Um momento íntimo não quer dizer que não deve ter ninguém. Quer dizer que deve ter apenas as pessoas que a mulher deseja que estejam lá.

Há mulheres que desejam muitas outras pessoas nesse momento e, se esse desejo é genuíno, isso é ótimo e com certeza não trará efeitos negativos durante o trabalho de parto.  Mas a grande maioria das mulheres precisam de privacidade para que os  hormônios tímidos do parto, como a ocitocina, possam ser liberados e fazer o seu papel.

IMG_4277Profissionais que atendem ao parto, em tese, sabem se comportar e ficar invisível durante esse momento que É DA MULHER.  Parentes e amigos que pedem para serem chamados para participar desse momento, em geral  não sabem. São apenas curiosos. Voyeurs. Que querem participar para saciar sua própria  curiosidade. Então aqui vai uma  dica preciosa: Espere ser convidada. Não se convide. Se perceber o telefone desligado, não ligue. Se perceber que a gestante “sumiu” das redes sociais não perturbe. Não vá até a casa da parturiente por mais amigas que vocês sejam. Por mais íntimas e por mais que se amem.

E acredite. Ela não ter chamado você pra participar deste momento, não significa que ela não te ama. Sim ela te ama. Mas ela precisa de privacidade. Assim  como toda mamífera.

Em tempos: Você apareceria sem ser convidada para assistir sua amiga/cunhada/nora/filha transando com @ companheir@ dela?

 
 


Sobre Gisele Leal

- Acompanhamento da Gestação - Preparação para o parto (individualmente ou em grupos) - Consultoria para a escolha de profissionais e locais de parto - Elaboração do Plano de Parto - Dia da Despedida da barriga, barriga de gesso - Acompanhamento do Trabalho de Parto, Parto e Pós-parto imediato - Assistência ao Parto e puerpério - Consultoria em Aleitamento Materno - Fotos do parto, da família e da gestante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 pensamentos em “Voyeurs do parto

  • Cintia

    Post perfeito!
    Eu, que nem grávida (ainda) estou (do próximo filho), já fui colocada na parede ontem, quando meu marido disse para meus familiares que o próximo bebê nascerá num parto domiciliar. Primeiro todo mundo RIU da minha cara, me achando louca e depois, disseram que irão assistir! :O
    Assim, na maior cara de pau.
    Eu até tentei explicar como as coisas funcionam, mas sabe quando as pessoas não querem saber e já vão pré-julgando? Desisti!
    Eu serei da turma que vai avisar só depois que nascer, pq não tenho paciência pra implorar um direito que é meu – a privacidade.
    Obrigada por compartilhar suas ideias tão legais!
    Os posts sobre as visitas pós parto são ótimo tbém!
    Bjs