Carta para uma Doula – Relato de Parto da Nayara, nascimento do André


Nayara e AndréA Nayara me ligou num domingo. Acho que era domingo de pascoa. Ela queria informações. Estava com 39 semanas, já tinha um parto normal que tinha sido muito traumatizante e agora à beira de parir, tinha encontrado o blog recheado de relatos de parto humanizado. Ela principalmente não queria episiotomia, porque no primeiro parto havia sofrido demais com a episio. Ela até perguntou sobre parto domiciliar, mas àquela altura, sem ter provisionado verba acabou desistindo.
Conversamos, falei pra ela sobre a Casa de Parto de Sapopemba. Disse que não sabia se eles a aceitariam com 39 semanas pois lá o protocolo é começar o acompanhamento com 37 semanas. Expliquei que lá existem limitações, mas que o atendimento ainda sim é muito melhor que no hospital convencional. Lá ela poderia escolher a posição para parir, poderia parir inclusive na água, assim como a Mariana e a chance de ter uma episiotomia seria muito menor.
Me coloquei à disposição e nos despedimos.
Dia 10 de abril ela me ligou contando que havia ido no dia anterior (na segunda feira depois que conversamos por telefone) até a casa de parto! Mal pude acreditar! Que mulher decidida! Com 39 semanas foi la bater na casa de parto e a aceitaram! Fiquei tão feliz!! Mulheres decididas, empoderadas são inspiradoras! Desejei tudo de melhor pra ela, e fiquei torcendo muito! Disse que se ela quisesse eu poderia acompanha-la, já que estou estudando em SP e seria super fácil pra mim.
Dois dias depois, tive uma surpresa muito grande no dia 11 de abril, quarta feira  pela manhã. Nayara me ligou dizendo que tinha passado na UBS em Sorocaba e que a médica disse que ela JÁ estava com 5cm de dilatação e a mandou internar a noite para que o bebê nascesse. Disse que iria para Casa de Parto naquele momento. Ainda lembro que perguntei à ela se ela estava com contração, ela disse que não. Achei estranho, lembrei do caso da Isabel uma outra gestante que também passou na UBS o obstetra falou que ela estava com 6cm de dilatação (sem contração!!) e pediu para internar a noite. Quando cheguei na casa da Isabel, que estava com 40 semanas, e olhei o pedido de internação que o obstetra da UBS deu pra ela fiquei chocada. Na guia estava escrito: Colo favoravel pra indução, 3cm dilatação. Internar para indução. Affão. Porque eles fazem isso? Mas enfim, desejei que Nayara realmente estivesse com 5cm e desejei boa sorte. Se precisasse poderia me chamar!
Ainda fiquei alguns dias pensando nela, esperei o contato e nada. Foi quando recebi um email lindoooooooo que me levou às lágrimas, e divido aqui com vocês.
Vale a pena ressaltar, que partos em Casa de Parto também depende de sorte. Sorte da parteira que estará no plantão. Eu já acompanhei partos que as parteiras tiveram atitudes piores do que médicos. Mas a Nayara foi empoderada e teve uma boa pitada de sorte com a equipe que estava de plantão! Então vale a pena dividir.
Nayara eu fico inspirada e acredito que dias melhores virão quando mulheres como você resolvem mudar o rumo da própria história! VC construiu esse parto lindo e eu só tenho a agradecer por você ter me contado como foi tão bacana, por ter concordado em eu publicar aquin o blog para que possamos inspirar outras mulheres! Parabéns! Parabéns!!

Relato do nascimento do André, filho da Nayara – Casa de Parto de Sapopemba. Por Nayara Aguilar

Oi Gisele boa noite,
olha muito obrigada pela sua atenção. Você não sabe quanto foi importante, mas eu vou te contar:
 Como mandei notícia, no dia 11 fomos pra Sapopemba. Viagem mega cansativa, um trânsito terrível, no total virou uma viagem de 10 horas até nos acomodarmos.
Cheguei na Casa de Parto, fui super bem atendida, mas tivemos um contra-tempo… meu exame de sangue apontava anemia. Eu não poderia ter meu bebê lá.
Me examinaram, o bebê estava ótimo, liquido super clarinho, tudo 10, mas apenas 3 de dilatação… a médica de Sorocaba mediu errado. Mas as enfermeiras me orientaram não viajar, aguardar por São Paulo mesmo.
 Fomos pra São Bernardo, casa da minha tia, fiquei lá até 16/04, e fomos conhecer o Amparo Maternal, que as enfermeiras indicaram. Fomos muito bem atendidos, apesar da demora no exame, pois haviam muitas gestantes. Refizeram meu exame de sangue, e o pelo Toco o bebê estava ótimo, 4 de dilatação, mas quiseram me internar para induzir, por já estar com quase 41 semanas.
 Eu como tinha lido muitos relatos de parto, e ter estudado muito durante este período disse que preferia caminhar e que após caminhar eu iria ver se ficaria ou não. Sabia que a indução já era uma intervenção e não queria aquilo. Consegui dizer não educadamente e sair de fininho, rssssss.
 Conversei com meu marido, topamos retornar para Casa de Parto, pois o novo exame já apontava que a anemia foi superada e as meninas da Casa de Parto me liberaram para ter meu bebê lá. Eu consegui conversar com elas pelo telefone lá pelas 23:00hs de segunda-feira. Voltei pra minha tia, meu marido veio pra Sorocaba trazer meu filho Pedro, que até ai estava conosco.
 Gisele se você não tivesse me indicado lá, eu teria tido meu filho por aqui, e poderia ter tido o transtorno da episio, pois não deu tempo de mais nada.
Lá pelas 0:00 de terça eu estava lanchando e conversando. 0:30 eu estava com contrações muito fortes, lá pela 1:30 achei que estavam muito próximas, acho que de 3 em 3 minutos. Chamei meu pai, ele correu e chegamos na Casa de Parto as 2:50hs. Me ajudaram, examinaram, 8 para 9 de dilatação, desci da cadeira, abaixei, outra contração a bolsa estourou e senti o bebê descer de uma vez com a maior vontade de fazer força. Me ajudaram a levantar e andar correndo pro quarto, meu filho estava em pleno expulsivo. Deitei, fiz força umas 3 vezes, lembrei de respirar (que acho que nem respirei direito até ai), respirei e fiz força… nasceu!
 Foi um show, colocaram meu bebê sobre mim na hora, ficamos ali um tempinho que eu agradeci muito a Deus e fiquei olhando meu bebê. Estava tão zonza que levei 10 segundos pra contar se ele tinha 5 dedinhos numa mão só, rssssss. Eu mesma cortei o cordãozinho. Meu pai foi me ver, viu meu bebê e eu até fiquei aliviada de meu marido não estar ali no trab. de parto, porque se ele me visse com tanta dor acho que iria ficar desesperado, foi muito rápido, mas muito intenso mesmo.
 Eu sinceramente não conseguia nem lembrar quais enfermeiras estavam lá comigo, quantas foram, e nem em que posição eu estava, mas isso já nem importa muito, foi muito louco, bem dolorido, mas foi o máximo… meu bebê nasceu tão rápido que me pergunto o que poderia ter acontecido comigo se eu tivesse aceitado a indução.
 Ah… tomei 2 pontinhos apenas, 1 interno, 1 externo e creio que nem seriam necessários se eu tivesse conseguido estar mais consciente durante o parto.
 Olha desculpe escrever muito, ficar detalhando, mas é que eu quero realmente agradecer e mostrar a importancia da orientação correta, porque se vc não tivesse se disposto a me orientar sobre a Casa de Parto tudo poderia ter sido muito diferente e eu não teria opções. Fui muito bem tratada lá, cuidaram do meu bebê e de mim com carinho e atenção e já estamos ótimos e em casa. A amamentação está tão mais fácil e com tanto leite que até estranhei, meu primeiro filho não teve tantos benefícios assim.
 Muito obrigada e que Deus te ilumine e te use para ser auxílio para muitas mulheres ainda. Deus te abençoe.

Nayara

 
 

Nayara eu é que te agradeço!!! Desejo muitas, muitas felicidades pra você e sua família, e desejo que você possa ajudar outras mulheres a buscarem um parto respeitoso, no tempo do bebê, sem precisar induzir, sem precisar ter o períneo cortado. Um beijo com muito carinho. 🙂
E esse é o André Leonidas 🙂

Sobre Gisele Leal

- Acompanhamento da Gestação - Preparação para o parto (individualmente ou em grupos) - Consultoria para a escolha de profissionais e locais de parto - Elaboração do Plano de Parto - Dia da Despedida da barriga, barriga de gesso - Acompanhamento do Trabalho de Parto, Parto e Pós-parto imediato - Assistência ao Parto e puerpério - Consultoria em Aleitamento Materno - Fotos do parto, da família e da gestante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *