Amamentação Exclusiva até 6 meses 2


Catharina mamando gostoso no parque...


Por Gisele Leal
Algumas semanas atrás, Gisele Budchen causou o maior reboliço na mídia porque declarou que amamentar até 6 meses deveria ser obrigação, deveria virar lei.
Eu concordo com ela. Está provado que crianças que amamentam exclusivamente (exclusivamente, sem água, sem chá, sem suquinho, sem frutas) até o sexto mês, são mais saudáveis e raramente contraem infecções, especialmente as respiratórias. Além disso tornam-se crianças mais seguras, independentes e afetivas.
Isso vai de encontro com o que o governo está tentando aprovar: a licença obrigatória de 6 meses. Eu além de mãe de três, também trabalho fora. Sou funcionária de uma multinacional inglesa, porém minha chefe fica sediada nos EUA (onde licença maternidade e amamentação praticamente não existem).
Mês que vem volto ao trabalho. Emendei alguns dias de férias pendentes, mais 15 dias de atestado do pediatra para amamentar e ainda tenho mais 20 dias de férias para assinar… Entretanto quando voltar, ela ainda não terá completado 6 meses. Ou seja: terei que interromper a amamentação ao menos durante o período que estarei fora. Não vejo grandes problemas nisto, pois amamentei meus outros dois filhos mesmo trabalhando fora. Gostaria de ter amamentado até os 2 pelo menos, mas o Arthur largou o peito sozinho com um ano e meio e a Beatriz, eu não tinha todo o conhecimento que tenho hoje (há 12 anos atrás). Acabei desmamando-a com 1 ano.
Só que agora, detentora de toda informação e conhecimento que tenho, além da maturidade e experiência que adquiri com a 3a gestação, DESEJO AMAMENTAR EXCLUSIVAMENTE até o 6o mês. E aí, como farei? A OMS recomenda, o Ministério da Saúde também. Mas ainda não há lei que apoie a amamentação exclusiva até o 6o mês.
Fico aqui, junto a milhares de outras mães que desejam o mesmo, torcendo para que aprovem logo a extensão da licença maternidade até o 6o mês. Ou então, que seja criada uma licença amamentação para mamães que comprovadamente amamentam seus filhos exclusivamente. Quem sabe assim, separando as duas licenças, conseguimos aumentar o número de bebês em aleitamento exclusivo até o 6o mês?


Sobre Gisele Leal

- Acompanhamento da Gestação - Preparação para o parto (individualmente ou em grupos) - Consultoria para a escolha de profissionais e locais de parto - Elaboração do Plano de Parto - Dia da Despedida da barriga, barriga de gesso - Acompanhamento do Trabalho de Parto, Parto e Pós-parto imediato - Assistência ao Parto e puerpério - Consultoria em Aleitamento Materno - Fotos do parto, da família e da gestante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Amamentação Exclusiva até 6 meses

  • FERNANDA

    EU CONCORDO PLENAMENTE, TENHO CINCO FILHOS E OS AMAMENTEI POR UM ANO E UM MES CADA UM, SÓ QUE MINHA QUARTA FILHA FOI A UNICA QUE MAMOU POR UM ANO E TRES MESES, E EXCLUSIVAMENTE NO PEITO ATE O SEXTO MES, SEM AGUA, CHA, SUCO, ETC. E ELA É A MAIS SAUDAVEL, NAO QUE OS OUTROS NÃO SEJAM, MAIS ELA RARAMENTE TEM GRIPE OU QUALQUER OUTRA COISA, E É A MAIS FORTE DE TODOS, A MAIS FOFINHA, RSRSRS. COM ISSO CREIO QUE AMAMANTAR EXCLUSIVAMENTE NO PEITO ATE O SEXTO MES É O MAIS CORRETO, MINHA BEBE AGORA A MAIS NOVA ESTA COM UM MES E ESTOU A AMAMENTANDO EXCLUSIVAMENTE NO PEITO, E PRETENDO CONTINUAR ATE O SEXTO MES, SÓ DEPOIS VOU IR ACRESCENTANDO OUTROS ALIMENTOS CONFORME MANDAR O MEDICO, ESSA HISTORIA DE QUE PEITO NÃO SUSTENTA É PURO MITO. BJS A TODAS FIQUEM COM DEUS. E SIM A AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA ATE O SEXTO MES.

  • Ministério da Saúde

    Olá blogueiro,
    Dê ao seu filho o que há de melhor. Amamente!
    Quando uma mulher fica grávida, ela e todos que estão à sua volta devem se preparar pra oferecer o que há de melhor para o bebê: o leite materno.
    O leite materno é o único alimento que o bebê precisa, até os seis meses. Só depois se deve começar a variar a alimentação.
    A amamentação pode durar até os dois anos ou mais.
    Caso se interesse na divulgação de materiais e informações sobre esse tema, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br
    Obrigado pela colaboração!
    Ministério da Saúde