Arquivo anual: 2013


E hoje, depois de tantos recados cheios de amor e carinho que recebi ontem pelo dia da Doula, acordei com uma alegria imensa e com uma vontade imensurável de beijar os pés (aprendi com a Waleska Nunes rsss) de cada uma das mulheres maravilhosas que confiaram em mim para dividir […]

Dia da Doula



4
Lutar pelo direito de parir dignamente no país das cesáreas e das intervenções violentas, desnecessárias e que são adotadas como protocolo de rotina nas instituições publicas e privadas Brasil a fora, é apenas o primeiro exercício de autonomia da maternidade que logo você terá que exercer. Sair do confortável e […]

Quero um parto normal, mas não tenho apoio do companheiro ...





Eu já acreditei em todos os métodos de indução existentes. Já indiquei pras gestantes que eu acompanhei tomar chá de canela, subir escada, fazer acupuntura. Hoje não acredito mais. E vou contar pra vocês porque. Tive dois partos normais. Como eu tenho duas cesáreas prévias, não poderia usar indução química. […]

Porque eu não acredito na indução natural do parto (e ...





2
Eu sempre recebo mensagens de mulheres que estão  em busca de seus VBA2C (vaginal birht after 2 cesareas ou parto normal após 2 cesaeras).  Muitas relatam que desejam muito parir, mas que por terem ouvido de seus médicos que é muito arriscado estão com medo dos riscos. Então resolvi escrever […]

Você vai "tentar" um parto normal após 2 ou 3 ...



Nós que participamos das discussões sobre a humanização da assistência ao parto sempre lemos nos grupos de discussão, que a realização rotineira de exame de toque nas consultas pré-natais em gestações de baixo risco,  não traz benefícios nos desfechos perinatais, e que justamente ao contrário, acaba por contribuir para o […]

Exame de toque. Aliado ou vilão?



São nas pequenas ações de cada um que a causa da humanização do parto e nascimento ganha espaço e novos apaixonados. É neste mundo virtual, que conseguimos disseminar muitas de nossas idéias, conseguimos mostrar o quanto o sistema trabalha para que nós fiquemos cada vez mais dependentes dele. E é […]

Você vestiu realmente a camisa?